Maxwell dos Santos relança o e-book Ilha Noiada

Divulgação


Ilha Noiada não é o primeiro, nem o último livro que aborda o tema drogas na adolescência. Para alguns, este é um assunto batido. Mas enquanto houver jovens destruídos e famílias arruinadas por entorpecentes, será sempre um tema atual.

Através das histórias de quatro adolescentes de classe média e média-alta, que estudam na fictícia Escola Santa Luzia e que todo fim de tarde se encontram na Pracinha do Cauê, na Praia de Santa Helena, em Vitória, para consumir crack no cachimbo, o autor mostra os efeitos devastadores desta droga nos jovens e nas famílias.

Atualmente, o crack está em todas as classes sociais, desde os barraquinhos no alto do morro às luxuosas e caras coberturas à beira-mar e mansões. É uma epidemia que assola o país. Segundo um estudo da Unifesp, o Brasil é o maior consumidor de crack do mundo, com 2,6 milhões de usuários.

"O vício em crack é um caso de saúde pública! São jovens jogados nas sarjetas, perambulando nas ruas das grandes cidades totalmente desnorteados em busca da pedra. Para sustentar o vício, cometem pequenos furtos ou se prostituem, ficando vulneráveis às ISTs. O tráfico e o consumo de drogas são a correia de transmissão da violência urbana", aponta o escritor.

A obra, lançada em 2013, recebe uma nova edição em 2019, revista, com nova capa e projeto gráfico, está disponível para download gratuito em http://bit.ly/ilhanoiada2019

Sobre o autor

Nasceu em Vitória/ES em 1986 e mora na referida cidade. É jornalista, designer gráfico e servidor público da Prefeitura de Cariacica desde 2017. É técnico em Multimídia pelo CEET Vasco Coutinho, licenciando em Letras/Português pelo IFES e em História pela Uninter. É autor dos livros 24 horas de Anna Beatriz, Ilha Noiada, Melanie, Amyltão Escancarado,Comensais do Caos, #cybervendetta e Empoderando-se.

Share this:

JOIN CONVERSATION

    Blogger Comment

0 comentários:

Postar um comentário

São proibidas palavras impróprias ou xingamentos.

Sugestões, dúvidas, elogios e críticas construtivas são sempre bem vindos!

Obrigada pelo comentário!